Um roteiro por Sultanahmet, onde está o filé de Istambul

Este slideshow necessita de JavaScript.

Quem vai para Istambul certamente quer uma coisa: parar na praça principal de Sultanahmet e olhar para os lados: de um está a basílica de Santa Sofia, ou Hagia Sofia; do outro, a Mesquita Azul. O bairro merece um dia inteirinho de passeio, e tem tanta, mas tanta coisa que merece que o dia comece bem cedo.

-Vá cedo na basílica de Santa Sofia. É um jeito de evitar a fila e curtir a mesquita-museu sem muita gente dentro. Você pagará uma entrada (eu achei que valeria a pena comprar o tal museum pass que eles vendem, mas marquei bobeira e não comprei). Mulher não precisará do véu para entrar, e é permitido tirar muitas, muitas fotos lá dentro. Ah, e suba no andar superior. Vale a vista da mesquita.

Quando você entrar lá, por favor lembre-se de que é uma construção do Império Bizantino, de mais ou menos 530 D.C. (e estamos nos anos 2000). Então, nada de sair chutando coisas ali, por favor! E repare que ela já foi igreja ortodoxa, católica, mesquita e hoje é museu (aliás, os minaretes só foram colocados depois de 1453). Dentro dela há referências de todas as religiões.

 

-Visite a famosa Mesquita Azul cerca de uns 40 minutos depois do chamado para orações (logo depois do canto você não poderá entrar, apenas os fiéis têm permissão para entrar no templo para rezar). Como você saberá que está rolando o chamado? Acredite, você saberá: caixas de som espalhadas pelo bairro ecoam o canto islâmico chamando para a reza (veja aqui, tentei gravar). A visita é gratuita, e tire suas fotos sem flash (as pessoas sempre estão por lá orando). Você vai tirar os sapatos e as mulheres devem cobrir a cabeça com o véu. Quem não tiver um, pode pegar um pano emprestado. Aliás, existe um dress code para entrar na mesquita, e se você estiver de pernocas de fora, vai precisar amarrar um pano na cintura para cobrir as pernas.

Foi lá na Mesquita Azul, em Sultanahmet, que eu pedi para a moça me ajudar a usar o hijab, mas não faça isso se não sentir que há liberdade para pedir. No meu caso, aproveitei que a moça me pediu para tirar uma foto dela com o marido. Como 1- ela falou comigo 2- ela mostrou que tinha a liberdade/permissão para falar comigo, pedi para ela me ensinar a prender o véu — mas o marido não ficou 100% feliz (mas ela ficou, viu que me interessei e mostrei respeito pelo costume dela). Os turistas em volta piraram e ficaram tentando copiar, foi no mínimo inusitado. Mas vale só enrolar o véu na cabeça mesmo (obviamente não consegui segurar o hijab muito tempo na cabeça e acabei andando lá dentro só com ele jogado nos cabelos).

Mas você vai andar descalço lá dentro? SIM, então nada de meia suja ou furada. Toda mesquita tem um móvel com sacolas plásticas do lado de fora, para você tirar os sapatos, guardar no saquinho e sair carregando lá dentro.

-A Cisterna da Basílica, também em Sultanahmet, fica do lado da Santa Sofia. Tem ingresso pago, mas vale a entrada. São as galerias para acumular água, construídas no Império Bizantino. Vá até o fundo da cisterna e ache as cabeças da Medusa.

-Não faça como eu, repare no horário em que o Palácio Topkapi fecha para conseguir explorá-lo direito. Diz a lenda (infelizmente não consegui entrar) que ele tem um harém incrível (com preço de entrada separado do palácio). Já adianto que ele tem filas enormes para entrar. O espaço do palácio é grande, ele tem vários prédios, exposições e o mais bacana: uma vista incrível do mar de Mármara no fundo. Sim, caminhe até o fundo e faça a tão sonhada foto com Europa e Ásia no mesmo enquadramento (isso se você conseguir expulsar os turistas da frente).

[mappress mapid=”2″]

-Se você ainda tiver pique e coragem, o famoso Grande Bazar estará aberto durante a noite. Vale a caminhada a partir de Sultanahmet até lá (não é longe, é bem tranquilo). O câmbio para trocar euro/dólar lá é ótimo, e não tenha vergonha de pechinchar. Se estiver exausto e ainda assim com vontade de ir até lá, são duas estações de tram (não dá tempo nem de guardar o bilhete único). Mas não compre tudo lá de cara, já que há outro mercado com preços muito mais bacanas, o Mercado Egípcio/ de Especiarias, pertinho da ponte Gálata.

Para fazer o cruzeiro pelo Bósforo, conto mais aqui!

Quer mais dicas de Istambul? Os colegas dos blogs The World by Fon e Coordenadas do Mundo podem ajudar!

 

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Um pensamento em “Um roteiro por Sultanahmet, onde está o filé de Istambul”

%d blogueiros gostam disto: