Um lugar lindo e pouco conhecido para passear: a região serrana do ES e a Pedra Azul

Você consegue ver uma pedra em forma de lagarto “subindo” a pedra azul? Foto: Talita Marchao

Confesso que quando pensava no Estado do Espírito Santo, só imaginava praia. Então quando soube que conheceria a região montanhosa, fiquei bem curiosa com o que encontraria pela frente. E confesso que fiquei bem (positivamente) surpresa. Foi assim que acabei conhecendo a região da Pedra Azul.

Estive na região da cidade de Domingos Martins durante um encontro de blogueiros de viagem, o Pocando no ES (sim, blogueiros de viagem se reúnem para conhecer lugares legais e dar as melhores dicas, trocar dicas e aprender dicas).

Mas o que tem na região montanhosa do ES?

Frio durante a noite, cerveja artesanal, morangos e muita, muita comida boa. Você chega a Domingos Martins pela BR 262 (sim, é a que liga as cidades de Vitória e BH). São cerca de 50 km de Vitória, mas como a estrada é uma serra bem sinuosa, o percurso pode ser um pouquinho demorado. Garanto que o visual é incrível!

O cartão postal da região é a famosa Pedra Azul. Dependendo da hora do dia, a pedra tem uma coloração (meio azul, meio verde, meio cinza). Para chegar nesta região, você precisa dirigir mais uns 50 km até a região da pedra.

Ela tem uma pedra “grudada”, a famosa pedra do Lagarto. A grande sacada é fazer a chamada “Rota do Lagarto” (dá para fazer de bike ou de carro mesmo), assim você pode ver todos os ângulos do tal lagarto (e decidir se está mesmo vendo ou não uma pedra em forma de lagarto).

Antes de começar a rota, paramos para tomar um café na Tuia Gastronomia e Arte, uma casa super charmosa e com um chocolate quente incrível. Ali é um bom local para alongar as pernas (para quem se animar a pedalar).

Estou em um relacionamento sério com esse chocolate quente com Nutella e chantilly da @tuia_gastronomia_arte

Uma publicação compartilhada por talita (@medeixaserturista) em


No Parque Estadual da Pedra Azul, é possível fazer duas trilhas: uma mais fácil, que vai até a base do maciço, e uma mais longa, que dá acesso às piscinas naturais.. O caminho até a base das trilhas é recheado de vistas incríveis da Pedra Azul.

E onde ficar hospedado?

Conhecemos dois hotéis da região: o hotel fazenda China Park e o Bristol Vista Azul . E os dois eram tão bacanas que você precisará fazer um esforcinho para deixar o local para passear pela região.

Um dos lagos do China Park com o teleférico passando por cima. Foto: Talita Marchao

Na primeira noite, ficamos no China Park. É um hotel fazenda famoso por seu teleférico –e o mais legal, você sobe de teleférico de 1.2 km de extensão, passando pela por um lago e uma baita subida próxima da mata, e desce de tirolesa. Tudo com equipamento de segurança e profissionais especializados para te orientar.

O China Park tem ainda um parque aquático com toboágua e piscina coberta aquecida, além de um cineminha, além da equipe de recreação. As refeições que fizemos lá foram caprichadas, tanto no sabor quanto na quantidade –a vantagem é que você pode consumir “por quilo”.

Wi-fi funcionou bem em quase toda a propriedade, inclusive nos quartos. Eu tive a sorte (literalmente, fui sorteada) para ficar em uma das suítes luxo com dois andares (sala +quarto com varanda com vista e o banheiro com ofurô, hidromassagem e sauna). Coisa fina!

Interessou? De uma olhada nos valores das reservas para a sua data.

A outra opção, o Bristol Vista Azul, tem uma vista de tirar o fôlego para a Pedra Azul. Fica no alto de uma das montanhas, de frente para a pedra. Tem quartos com até três camas e toda a infraestrutura de lazer –piscina externa, interna aquecida, área de lazer infantil. O local ainda tem espaços para receber grandes eventos (seja uma convenção ou um casamento).

A vista de um dos quartos do Bristol Vista Azul para a Pedra Azul <3. Foto: Talita Marchao

Almoçamos no restaurante do hotel, e posso dizer que foi uma das melhores refeições –talvez até a melhor refeição, é páreo duro- que fiz no ES. O restaurante do hotel era uma filial do famoso Argento Parrila (com uma pegada argentina), mas o cardápio foi adaptado para a cultura e os costumes locais e só posso dizer que é delicioso –comi um feijão tropeiro e um ragu de linguiça que me deixaram apaixonadas.

E não é papo de blogueira, mas fiquei bem surpresa com os valores das diárias para o casal. Para um programa a dois, achei bem simpático, viu?

Quanto tempo é preciso para conhecer a região?

Com uma viagem bem planejada, dá para conhecer em um fim de semana os arredores da Pedra Azul, de Domingos Martins e até uma cidadezinha famosa por ali, Venda Nova do Imigrante E curtir a infraestrutura dos hotéis (afinal, você não estará pagando só por um canto para dormir). Minha recomendação, do fundo do coração, é fazer os passeios pesados antes do almoço –afinal, você não vai conseguir comer pouco no Espírito Santo, e vai precisar de um programa mais leve para a tarde pós-almoço!

O que é o Pocando no Es???

O Pocando no ES é um encontro de blogueiros de viagem do país todo realizado pelo blog Capixaba na Estrada. O objetivo do encontro é trocar experiências entre os blogs participantes e apresentar o Estado do Espírito Santo, Temos palestras, eventos e contamos com os apoios de prefeituras, hotéis e restaurantes para divulgar roteiros e passeios. Nós arcamos com os custos de passagem aérea e alguns gastos dos passeios.

Deixe um comentário

  1. Essa região é maravilhosa! Um encanto recheado de delícias gastronômicas e da natureza. Fico feliz que tenha gostado. Queria que também viesse a Guarapari. Aqui na mesma cidade você encontra o mar e as montanhas. Sabia?

  2. Eliene Moraes Diniz em

    Gostou? Eu amo minha terra e tem lugares charmosos como Santa Tereza, volte mais vezes !

    • Amei! Já estou planejando a volta. Kaká até deu umas dicas, mas não deu tempo de fazer tudo, nosso roteiro era bem rápido. Fiquei devendo uma passada pelo convento!